Pesquisar neste blogue

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Finalmente,dois dos discos mais esperados por mim já estão disponíveis na net(não esquecer de comprar quando estiverem disponíveis fisicamente,é outro encanto e os artistas merecem).
  Passemos então ao primeiro-Opeth-Heritage.Muito se tem cogitado em relação a este álbum,principalmente porque Akerfeldt já havia prevenido que seria apenas com vocalizações harmonizadas,nada dos tradicionais "growls".Como os Opeth entretanto se tornaram numa banda mais popular as vozes de descontentamento logo apareceram a prever um disco trágico.Pois é,vozes de burro não chegam ao céu,e como não são fãns de verdade(como eu)não fazem ideia que existe um disco de 2003 chamado Damnation quase completamente acústico,sinceramente na altura não me preocupei muito,mas depois de o ouvir várias vezes achei-o desinspirado e monótono.Mas não é por aqui que se pode julgar este novo álbum,ao fim e ao cabo,bem vistas as coisas,mesmo sem comprometer a sua muito caracteristica identidade(Opeth é sempre Opeth)nenhum dos seus discos é igual,sempre desenvolveram novos fócos de interesse de albúm para albúm,e é a partir daqui e sem sêr necessárias muitas palavras que podemos falar de Heritage.Assim sendo,temos vocais bastante harmonizados e bem interpretados por Akerfeldt,muita utilização de órgão Hammond na tentativa de recuperar o sentimento do ProgRock setentista(Acho mesmo que este albúm é uma incrível homenagem a todas essas bandas que começaram este movimento),bateria mais na onda do "free jazz"(pois é,só mesmo a categoria duns Opeth para se aventurarem desta maneira)altamente inspirada e um dos pontos fortes deste disco,destaque ainda para o baixista Martin Mendez que criou aqui algumas das melhores linhas de baixo da sua carreira,para terminar,a parte principal da composição como sempre tem preponderãncia nas guitarras,e o que temos é efectivamente uma maior afluência de acordes acústicos mas ainda assim os rifes pesados marcam presença ainda mais forte ainda que sejam numa toada mais psicadélica.
    Se a ideia era aproveitarem as ideias do disco anterior para compor um novo albúm,melhor ideia foi terem deixado de parte essas musicas e fazerem algo completamente,inesperado.
   Não é com toda a certeza o melhor disco dos Opeth mas ainda assim este disco merece nada mais nada menos do que 9.1.

Opeth – Heritage (2011) [HQ+flac]
Download–> Wupload | FileSonic
FLAC-> Wupload | FileSonic (by manyakk)
Opeth – Heritage (2011)
Genre: Extreme Progressive Metal/Rock
Origin: Sweden
MP3 |177mb | 320kbps (CD-Rip+Scans)
FLAC | 320 mb | (tracks + .cue, log-file)
Myspace
Tracklitst:
01. Heritage (2:05)
02. The Devil’s Orchard (6:40)
03. I Feel the Dark (6:40)
04. Slither (4:03)
05. Nepenthe (5:40)
06. Haxprocess (6:58)
07. Famine (8:32)
08. The Lines in My Hand (3:49)
09. Folklore (8:19)
10. Marrow of the Earth (4:19)
___________
57:05 min
Segundo disco-Dream Theater- A Dramatic Turn of Events -Bem,o que esperar dos Dream Theater?Para mim a resposta é fácil,e passo a explicar.Apesar de achar estes Senhores(sim com S grande)uns colossos musicais em todas as suas obras(se calhar deixo o Octavarium de parte)nem todos os albums são do meu agrado,a titulo pessoal os que mais gostei foram os que misturaram toda a sua incumensorável técnica,com peso e melodia nas dozes certas como por exemplo Train of Thoughs e o anterior Black Clouds And Silver Linings.Posto isto,só tenho a dizer que este é mais um álbum ao meu gosto,vou ouvi-lo como se não houvesse amanhã,degustando todos aqueles pequenos pormenores que lhes são caracteristicos e descobrindo aqui e ali viragens rítmicas e harmoniosas completamente alucinantes,não há muito que adjétivar é ouvir e prontos.
   Não pensem que me esqueci do factor Portnoy,nem por um segundo.Lamento imenso a perda de um dos meus bateristas favoritos,não tenho dúvidas que este disco seria ainda melhor se ele ainda lá estivesse mas também não posso menosprezar o excelente trabalho de Mangini.Apesar de não sêr tão versátil quanto Portnoy(E não se esqueçam que Portnoy além de compôr algumas musicas ,também escrevia a maior parte das lêtras e idealizava principalmente com Petrucci  o conceito e  o caminho a seguir na composição)Mangini também é técnicamente fórte,tém uma pegada fantástica e acima de tudo trabalha muito em prol da mùsica própriamente dita,grande substituto,grande baterista.
   Para terminar queria apenas destacar que James La Brie está a cantar muito bem e principalmente muito menos nazalado(coisa que me irritava profundamente),parabéns a ele e aos Dream Theater por terem escolhido seguir em frente,obrigado.9.3.

Dream Theater – A Dramatic Turn of Events (2011) [HQ+flac]

320-> Wupload | FileSonic
V0-> Wupload | FileSonic
FLAC-> Wupload | FileSonic (by manyakk)
Dream Theater – A Dramatic Turn of Events (2011)
Genre: Progressive Metal
Origin: United States
320kbps | 241mb (Scans)
VBR V0 | 150mb
FLAC | 614 mb (Scans) (tracks + .cue, log-file)
Myspace | Metal-Archives
Tracklist:
1. On The Backs Of Angels (8:42)
2. Build Me Up, Break Me Down (6:59)
3. Lost Not Forgotten (10:11)
4. This Is The Life (6:57)
5. Bridges In The Sky (11:01)
6. Outcry (11:24)
7. Far From Heaven (3:56)
8. Breaking All Illusions (12:25)
9. Beneath The Surface (5:26)
____________
01:17:01

4 comentários:

  1. É um grande album ! melhor que o anterior sem duvida.

    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  2. Folgo saber que ainda vizitas o meu blog.Obrigado,and stay with the up.

    ResponderEliminar
  3. Resenha muito bem escrita. Parabéns pelo blog. Abrax...

    ResponderEliminar